TRANSLATOR( BLOG OR POST)

15 de jan de 2014

Com merda na cabeça

Caso 1

Os jovens saem de uma festa e um deles resolve "brincar" de assaltante de carro. Errou o alvo e deu de cara com um motorista armado, que acertou o alvo.

Caso 2

Depois de dois anos nos EUA, o panaca resolve testar a segurança da empresa aérea e manda mensagens com ameaça de bomba.

Caso 3

A mãe do menino, que parece ter sido morto pelo padastro, viciado e ciumento, vai para a cadeia por omissão. Sabia do risco que os filhos corriam com esse desqualificado dentro de casa. Hã???? Daria pra escrever um livro. 

Detalhe: O outro filho é do padrasto e tem menos de um ano. Agora fica sem pai nem mãe. 

Caso 4 

A menina Maria Clara, seis anos, morre com mais de noventa por cento do corpo queimado. Foi assada viva. O animal jogou combustível na mãe e nas meninas dentro do ônibus e ateou fogo.

Detalhe mórbido: Um dia antes, a mãe de um dos animais, que obedeciam ordens vindas de um presídio, recebeu um telefonema, gravado pela polícia, avisando que não usasse ônibus no dia seguinte.

Tem alguém aí que possa esclarecer por que essa mãe não foi presa por cumplicidade?

Cada dia o esforço para manter a emoção cristalina aumenta. Ou você dispersa e vira hipócrita ou arrebenta a cabeça na parece.

5 comentários:

São disse...

Está tudo enlouquecendo?????

Estou siderada, de verdade.

beijo

Pitanga Doce disse...

Nem virar hipócrita, nem arrebentar a cabeça, ou na haveria tanta parede pra tanta gente. O jeito é tomar uma laranjada para a coisa descer melhor, já que esse modelo de cabeça de merda anda imperando. Quanto à prisão da mãe omissa, não sei se realmente fará falta a essa criança já que o mais importante na vida, para ela, seria a presença de um homem em casa...fosse quem fosse.

Quanto aos "bonitinhos" que recebem ordens dos presídios: "olha os direitos humanos"!

beijo, Clara. Tamos assando, bem-nhê.

Justine disse...

Pergunto-me muitas vezes isso mesmo, Clarice: como manter-me sã e equilibrada num mundo insano, cruel, louco? Tenho de pensar muitas vezes que também há gente honesta, solidária, fraterna...

Anônimo disse...

Parece que viram rotina fatos que tempos atraz eram impensáveis.
Não sei explicar e não tenho extrutura para encara-los, Uso a técnica do avestruz; fujo e finjo que não vi. So assim consigo seguir adiante. Bj Lê

Dalva M. Ferreira disse...

O absurdo virou rotina. O horror dá tédio. O mundo caminha para o fim? Ou será que a roda da fortuna vai dar uma guinada de 180ª e tirar o mundo desse inferno? Tomara...