TRANSLATOR( BLOG OR POST)

22 de mai de 2013

Navegar é preciso


O que dizer a quem abre os braços e oferece conforto? Sei que é difícil para quem lê, porque traz lembranças de todos os tipos.
De qualquer maneira, mesmo assim pela tela, eu me sinto cercada de solidariedade. Obrigada.

Em meio a decisões, reunião,visita e tempo de aceitar, reconheço que ainda não consegui deixar de lado sentimentos, mas mesmo que tenham sido de mágoa, nunca foram de ódio ou ingratidão. Apenas não me sinto assim tão filha nem irmã, como poderia ser.

Tudo a seu tempo. Ela vai aprender a viver, como tenho feito, um dia de cada vez, até a chama apagar.

Amanhã sairá do hospital e irá para a casa da irmã, que decidiu e assumiu o comando, seja lá o que isso tenha sido e será.

De minha parte, se alguém ainda estiver perto de mim e se eu chegar a essa idade, ninguém me colocará numa mesa de cirurgia. Saio de bengala na mão e acerto seja quem for.  

De tudo uma lição. De tudo a confirmação de que sempre e em qualquer ocasião estamos sós. Seja para decidir ou para aceitar.

Tenho me perguntado por que católicos, que repetem"seja feita a vossa vontade..." e acreditam em vida eterna tem tanto medo de morrer.

A vida fica mais intensa quando colocamos o fim em perspectiva e deixamos tudo em ordem.

Um abraço de gratidão a vocês e vamos em frente, cada um com seus motivos para se manter em pé.

9 comentários:

Pitanga Doce disse...

Boa noite Clarice. Dorme tranquila e sonha.

beijos da Mila

Anônimo disse...

Eu agradeço a partilha, e abro meu coração para vc. Que dizer ? Procure pensar na sua mãe não apenas como uma mãe rigorosa ou fria, mas como um ser humano frágil, imperfeito, perdido na sua própria história e que precisa muito de vc e dos irmãos nesta hora final. Como vc disse todos vamos morrer; temos que aceitar.
Procure ver esta verdade não como uma desgraça ,sua ou da sua mãe. Se é desgraça, ( Ate hoje não tenho certeza ), é uma desgraça da humanidade inteira.
Nao temo a morte e tambem não faria cirurgias na etapa final. Se pudesse escolher como morrer, escolheria morrer em combate, lutando contra injustiças, por um ideal nobre. Isto daria sentido para uma morte digna
Estou ao seu lado. Bjs LÊ

São disse...

Minha querida, ódio, rancor , sentimentos desses nunca senti, mas mágoa e pena de que as coisas tivessem sido como minha mãe quis que fossem isso ainda tenho.

Cuidei dela até ao fim e fiz tudo para que nada lhe falrasse, tenho minha consciência tranquila .

Deixei passar muita coisa porque sua mãe também era seca, mas isso não a iliba a ela nem lhe tira a responsabilidade própria.

Que sua mãe sofra o menos possível e que , depois, tenha muita Luz , que é o que peço para a minha também.

Abraço apertado, linda.

Lian Tai disse...

Luz para vocês!

Dalva M. Ferreira disse...

Um abraço.

Clarice disse...

Pi, as coisas se complicaram ainda mais a partir de ontem. Nova cirurgia. Estou tirando a corrente das rodas e esperando.
Obrigada pelo carinho.

Lê, se eu não tivesse essa balança o dia todo rodando na minha mete, não estria enfrentando nenhuma crise.
Beijo e obrigada

São, por mais camadas que coloquemos, sempre escapa uma dor ou outra . O jeito é lidar com uma delas de cada vez.

Lian, é do que precisamos. Obrigada.

Dalva, recebido.
Obrigada.

Justine disse...

Estás a viver momentos difíceis! Aqui fica o meu abraço solidário e amigo!

Justine disse...

Vamos em frente, cada um com os seus fantasmas!
Toda a minha solidariedade, Clarice!

Clarice disse...

Justine, abraço e solidariedade recebidos.

Precisamos não perder de vista a fragilidade de nós todos.
Fique bem.