TRANSLATOR( BLOG OR POST)

3 de ago de 2011

Por falar em dinheiro

Fiz, a vida inteira, malabarismos para o dinheiro chegar ao final do mês e até  exercícios financeiros que nenhum economista entenderia. Não porque fosse perdulária, mas porque as responsabilidades eram maiores do que o salário.Isso me credencia a dar palpites? Não sei. Mas dou mesmo assim, antes que o saldo fique vermelho e que aquele cartão de crédito vire pesadelo na sua bolsa.

Essa conversa toda em volta dos EUA(quem diria!, outra vez?) deve servir de alerta na hora de comprar. Essa ilusão de que a tal classe C está emergente e que pode comprar desvairadamente, porque só provoca inflação e mais nada é de uma irresponsabilidade insana.

Falta educação para gastar dinheiro na maioria das casas e famílias desde sempre.  Enquanto essa situação estiver indefinida e os reflexos dela não aparecerem- imagino que pelo menos pelos próximos 3 meses já se anunciem, mas vão durar anos e anos-, melhor não fazer dívidas de grandes valores. Ao contrário do que possa parecer, esse acordo divulgado não deixa os credores tranquilos e os reflexos acabam no balcão da mercearia aí da esquina, acredite.

-O sujeito vai entrando em lojas  e fazendo dívidas em prestações a perder de vista, que um dia deverão ser pagas.
REGRA: NUNCA COMPROMETA MAIS DO QUE 25% DE SEUS GANHOS EM  COMPRAS PARCELADAS. SEJA O QUE FOR.

-O hábito brasileiro de transformar cheque em pagamento a prazo, o famoso pré, passa batido muitas vezes e vira dor de cabeça com o Banco. A moça faz um cheque, guarda o canhoto, faz mais um, e mais um e mais um. Aí perde o fio da meada e não sabe mais quanto tem comprometido a cada dia do mês e dos meses seguintes.
REGRA: TABELA DE CHEQUES E VALORES COMPROMETIDOS.  Fazer uma tabelinha é tão simples como copiar receita de bolo. Anote o valor do cheque e a data que vence. Consulte todos os dias.

Dica de bancária, que viu muitas pessoas perderem o crédito por simples preguiça. Um cheque prédatado fica assim definido, inclusive para fins legais, se você escrever no verso algo como: "Este cheque destina-se a pagar parcela nº tal,ou total- da compra efetuada com a nota fiscal nº tal  e conforme acordo entre as partes só deverá ser descontado na data determinada."

Se o vendedor descontar antes, você enfia essa declaração goela abaixo dele e ainda pode mover ação por danos morais, prejuízo, requerer devolução do valor, inclusive dos juros e encargos pagos ao Banco, se o destinatário do cheque fez seu saldo ficar devedor.  Se a legislação não mudou é isto e fim de papo.

Sem isso, o cheque é uma ordem de pagamento à vista. Para o Banco não importa a data de emissão, só a data de prescrição. Apresentou, saiu dinheiro de sua conta. Olho vivo!

REGRA DE OURO: SÓ EMITA CHEQUE PREDATADO EM ÚLTIMA HIPÓTESE


-Há uma febre por compras desde que inventaram o dinheiro e não serei eu a encerrar essa loucura. Comprar dá um prazer momentâneo. Abriu o pacote, usou uma vez, foi-se a euforia. Então faça  perguntas simples:
ESSA COMPRA É NECESSÁRIA? 
PRECISO DISSO AGORA?
POSSO PASSAR SEM ISSO?
QUE IMPORTÂNCIA TEM ISSO PARA A MINHA FELICIDADE?
ESSA COMPRA VAI COMPLICAR MEU ORÇAMENTO?

Dependendo das respostas, você pode guardar essa vontade desbragada de usar o cartão e passar cheques. Assim, num dia especial você se dá aquele objeto de presente, sem olhar o preço. Isso dá prazer que dura muito mais tempo.

Ser ecológico é ser fashion. Quanto menos compras, menos lixo.

-Importantíssimo: Exija a entrega das Notas Promissórias que você assinou quando fez compras a prazo. Ou você pode pagar a mesma conta mais de uma vez. Exija!

No próximo capítulo, dicas de como se recuperar quando as dívidas já passaram do  razoável.

5 comentários:

Gloria disse...

Ah pois é, fim de ano então, é um horror. Otimas dicas, tô ansiosa pelo próximo capítulo. Bjs

Clarice disse...

Glória, não sei por que ainda não incluíram educação financeiro-econômico-doméstica nos currículos escolares. Isso salvaria muita gente de situações difíceis.
Beijos gelados.

AVOGI disse...

money money money
ai que faz nos faz
kis .=)

Anônimo disse...

Sempre fui muito controlada. Na verdade preciso de muito pouco para ser feliz. Os apertos pelos quais passei, vieram por conta da filha e netos.
Eu não sou nem nunca serei uma consumista.
Beijinhos Lê

Clarice disse...

AvoGi, ruim com ele, pior sem ele!
Abraço.

Lê, quem cedo aprende que o dinheiro deve ser servo e não imperador, mais chance tem de aproveitar a vida sem medo do futuro. Épocas de vacas magras nos ensinam muito, não é?
Beijos