TRANSLATOR( BLOG OR POST)

12 de jul de 2011

Especialmente para gaúchos(ex-gauchos)

Como surgiu a expressão "tchê!".



Quem já não ouviu um gaúcho dizer: "Barbaridade, tchê"? Ou de modo mais abreviado "bah,  tchê"?

Essa expressão, tem um significado muito curioso.
Para conhecê-lo, é preciso falar um  pouquinho dos espanhois, dos quais os gaúchos herdaram seu "tchê".
Há muitos anos, antes da descoberta do Brasil, o latim marcava acentuada presença nas línguas europeias como o francês, espanhol e o português. Além disso, o fervor religioso era muito grande entre a população mais simples. Por essa razão, a linguagem falada no dia a dia, era dominada por expressões religiosas como: "vá com Deus", "queira Deus que isso aconteça", "juro pelo céu que estou falando a verdade" e assim por diante.

Uma forma comum das pessoas se referirem a outra era usando interjeições também  religiosas como: "Ô criatura de Deus, por que você fez isso"? Ou      "menino do céu, onde você pensa que vai"? Muita gente, especialmente             no interior, ainda fala desse jeito.


Os espanhóis preferiam  abreviar algumas dessas interjeições e, ao invés de exclamar  "gente do céu", falavam apenas Che! (se lê Tchê) que era uma             abreviatura da palavra caelestis (ler tchelestis) e significa do céu. Eles usavam essa expressão para manifestar  espanto, admiração, susto. Era talvez uma forma de apelar a Deus na  hora do sufoco. Mas também serviam-se dela para chamar pessoas ou animais.


Com a descoberta da América, os espanhois trouxeram essa expressão para as colônias latino-americanas. Aí os gaúchos, que eram vizinhos dos argentinos(gauchos) e uruguaios acabaram importando para a  sua forma de falar.

Portanto exclamar "tchê" ao se referir a alguém significa considerá-lo
alguém "do céu".

___________________________________________
E esta agora, vizinhos: a cuia veio dos índios, o nome veio dos argentinos e as falas da Espanha. Sobrou pouco pra contar vantagem, hein?

É bom esclarecer que tenho algo de gaúcha e que ironizo porque acredito em rir de si próprio para rir sempre.
Texto recebido sem autoria. A figuraça veio daqui.

6 comentários:

Anelize disse...

rsrsrs
Ainda temos o bom churrasco e o carreteiro...Que agora já nem sei também se é nosso! rsrsrs
Acho melhor eu pesquisar a origem antes de contar essa vantagem também! hahahaha
Ah! Mas tem o carinho acolhedor do gaúcho, que nas minhas andanças por este Brasil não encontrei povo hospitaleiro e acolhedor como o gaúcho... Acho que nesse quesito posso contar vantagem!
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
bjs

Clarice disse...

Ane, o churrasco também é herança dos argentinos campeiros. O carreteiro, salvo engano, vem de quem inventou a carne de sol.
Eu gosto de brincar com esse assunto porque também tenho pelo menos 1/3 de gaúcha. Minha mãe nasceu por lá e eu estudei algum tempo em terras geladas. Tenho amigos de longa data por lá e alguns novos.
Sabe como é: quem ri de si tem riso garantido. Mas eu não podia perder a viagem, né?
Teve um povo que cruzou o Uruguai e pousou em Seara, onde nasci. Aquilo é cidade de amigos. Precisa passar uns tempos por lá. Se bem que metade da população já se mudou pra Itapema.(rs)
Abraço, guria!

Gloria disse...

Mas, bah! Que texto tri, guria! Pelo menos há tradição, nem que seja emprestada dos alemães e italianos. E para nós, o que sobrou? Carnaval?Aff! Bjs.

Justine disse...

É tão enriquecedor ter mestiçagens no sangue - só nos valoriza cultural e humanamente!
E eu estou, em cada visita, a aprender coisas interessantes no teu blog:))Conhecia a expressão Che (claro, quem não conhece depois de Ernesto Guevara!)até de a ouvir em viagens a Argentina e Uruguai (em Porto Alegre, onde tenho uma amiga, nunca ouvi...), mas não sabia a sua origem!
E já vi fotos da jabuticaba, e é um espanto de árvore e de fruto!
Obrigada pelas lições de além-Atlântico:)))

Clarice disse...

Glória, é bem comos e diz: originalidade é a arte de esconder as fontes.
Hã! Hã! O carnaval veio...da África!
Nesta terra que abriga tantas culturas só os índios são originais e olhe lá!
Beijão.

Justine, tenho firme crença de que o Brasil, apesar de todos os erros e vícios importados, é um paraíso, onde culturas se misturam e qualquer pessoa pode entrar na roda, não importa que música toque.

Porto Alegre não tem muito sotaque, mas fala Mas, bah, guri!

Desse bandido Guevara melhor nem falar.
Jaboticabas, você não imagina como são deliciosas.
Beijos

ManDrag disse...

Gostei de saber. Lições de história nunca são demais.

Abraços