TRANSLATOR( BLOG OR POST)

14 de fev de 2011

De perto ninguém é santo

Era uma vez um canalha simpático

Tenho o maior respeito pela luta que ele trava contra sua doença há tantos anos e pela forma vigorosa com que lhe dá combate.  Que isso fique bem evidente.

Porém, não posso evitar de dizer que tenho ainda maior respeito por todos os que lutam bravamente contra suas doenças e sequelas, sem os recursos de que ele dispõe. Os que ficam em filas durante dias. Os que morrem em filas por falta de atendimento.

Por conta desse respeito eu pergunto: o que fez esse homem em benefício dos que sofrem como ele? Alguém já ouviu falar de que tivesse tentado melhorar a situação dos que não conseguem acesso a tratamentos muitíssimo mais simples do que ele recebe? Aliás, alguém já ouviu falar de algum ato político que tivesse beneficiado alguém e que não se mescle com sua vida de empresário?

Ele vende uma imagem de simpatia.  Até eu sucumbi a essa simpatia ouvindo seus causos. Não encontrei, até hoje, uma pessoa que se referisse a ele sem exaltar sua luta contra o câncer. Doença que virou biografia.

A mídia vende o que dá audiência. Cada vez que ele é internado ficam dezenas de plantão, feito urubus, querendo ser os primeiros a relatar o desfecho e arrancar lágrimas do país todo.

Eu já ouvi a história dele diversas vezes, decorei quantas cirurgias fez e há quantos anos luta contra sua doença. É merecido o aplauso por tanta bravura, por quem tem passado mais tempo em camas de hospitais do que em sua casa. Porém, ultimamente, corro para o controle remoto assim que começa mais um boletim hospitalar e troco de canal.

A mídia sobrevoa um fato que chama de "mancha" e que ele já poderia ter corrigido não fosse seu preconceito retrógrado e seu desprezo pela lei.

Ora! Virão os defensores de uma cultura regional ou machista em que prevalece o desafogo de seus instintos de forma irresponsável e que resulta em uma criança, que não teve seus possíveis direitos reconhecidos a berrar defesas! Vade retro!

Um erro pode não invalidar uma vida, mas eu não entendo esse acordo de silêncio covarde, que coloca o fruto dessa aventura numa inferioridade injusta, como se a ele fosse dado o direito de jamais ser questionado sobre sua irresponsabilidade pelas vias legais. Ora! Fazer teste de paternidade. Eu lá sou homem de fazer teste de paternidade! 

Esse é o homem que virará heroi e nome de rua, de praça.  Um covarde que não teve cujones para responder por seus atos. Esse é o homem por quem o Brasil chorará por uma semana ou duas e que será lembrado pela luta contra sua doença.

Enquanto isso, quem sabe, sua possível descendente, não reconhecida, não tenha acesso a um remédio para a dor de dentes. Ou do coração.

6 comentários:

Dalva Maria Ferreira disse...

Ufa! finalmente uma voz contrária, uma ovelha se rebela e sai do rebanho. Os canalhas também envelhecem, e o que se faz aqui, aqui se paga. Parabéns.

ManDrag disse...

Subscrevo na íntegra a tua indignação!

Abraço

Gloria disse...

É isso! Tomara que a família, após sua partida, faça a justiça merecida. Sei que é sonhar muito, mas quem sabe? Boa semana, bjs.

Clarice disse...

Dalva, criam-se mitos e herois que não resitiriam a um mínimo de especulação. Não desejo o mal, mas não posso ignorar e fingir que isso não me incomoda.
Abraço.

Mandrag, a maioria não sabe ou finge que não sabe, porque isso incomoda, faz repensar os ídolos.
Abraço.

Glória, o que me tira do sério é esa imagem de simpatia universal espalhada pela mídia. O cara virou santo porque está gravemente doente. Há milhões doentes, honestos, batalhadores e que guardam sua dignidade. O que esse cara fez de importante pelos brasileiros, além de trabalhar e ficar rico? Tão igualzinho a tantos!
Abraço.

Leika Horii disse...

Sempre admiro mais os que não se fazem de coitadinhos.

Leika Horii disse...

Sempre admiro mais os que não se fazem de coitadinhos.