TRANSLATOR( BLOG OR POST)

15 de out de 2010

Obrigada, Fessora!

Ser professor não é fácil. Veja o texto abaixo, que não tem nada a ver com religião.

O Sermão da Montanha (versão para educadores*)

Naquele tempo, Jesus subiu a um monte seguido pela multidão e, sentado sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem.Ele os preparava para serem os educadores capazes de transmitir a lição da Boa Nova a todos os homens.
Tomando a palavra, disse-lhes:
- "Em verdade, em verdade, vos digo: Felizes os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. Felizes os que tem fome e sede de justiça, porque serão saciados. Felizes os misericordiosos, porque eles..."


Pedro interrompeu:  Mestre, vamos ter que saber isso de cor?
André perguntou:  É pra copiar?
Felipe lamentou-se:  Esqueci meu papiro!
Bartolomeu quis saber:  Vai cair na prova?
João levantou a mão:  Posso ir ao banheiro?
Judas Iscariotes resmungou:  O que é que a gente vai ganhar com isso?
Judas Tadeu defendeu-se:  Foi o outro Judas que perguntou!
Tomé questionou:  Tem uma fórmula pra provar que isso tá certo?
Tiago Maior indagou:  Vai valer nota?
Tiago Menor reclamou:  Não ouvi nada, com esse grandão na minha frente.
Simão Zelote gritou, nervoso:  Mas porque é que não dá logo a resposta e pronto!?
Mateus queixou-se: Eu não entendi nada, ninguém entendeu nada!

Um dos fariseus, que nunca tinha estado diante de uma multidão, nem ensinado nada a ninguém, tomou a palavra e dirigiu-se a Jesus, dizendo:


- Isso que o senhor está fazendo é uma aula? Onde está o seu plano de curso e a avaliação diagnóstica? Quais são os objetivos gerais e específicos? Quais são as suas estratégias para recuperação dos conhecimentos prévios?


Caifás emendou:  Fez uma programação que inclua os temas transversais e atividades integradoras com outras disciplinas? E os espaços para incluir os parâmetros curriculares gerais? Elaborou os conteúdos conceituais, processuais e atitudinais?

Pilatos, sentado lá no fundão, disse a Jesus:  Quero ver as avaliações da primeira, segunda e terceira etapas e reservo-me o direito de, ao final, aumentar as notas dos seus discípulos para que se cumpram as promessas do Imperador de um ensino de qualidade. Nem pensar em números e estatísticas que coloquem em dúvida a eficácia do nosso projeto. E vê lá se não vai reprovar alguém! Lembre-se que você ainda não é professor titular...


É! Nem Jesus aguentaria ser professor nos dias de hoje...


Parabéns a todos os que ensinam e educam e obrigada!
________________________________
*Muito devo a eles que criaram e cortaram oportunidades. Ao criar me deram chances; ao limitar, me desafiaram.
Jamais vou esquecer da professora que me mandou calar a boca, quando eu disse surpresa: A costa da América do Sul cabe na costa da África!!!
Isso há mais de 50 anos, quando nem se cogitava sobre o afastamento dos continentes. Ali começou meu encantamento, minha curiosidade insaciável.

Obs.: Recebi o texto por e-mail. Desconheço a autoria.

6 comentários:

Sonia Boni disse...

Muito bom, Clarice. Eu adoro o Sermão da Montanha. Lembro-me que li, numa biografia do Gandhi perdida na estante, que ele considerava essa passagem a essência do cristianismo. Me too.
Bjks e bom fim-de-semana!

Clarice disse...

Sonia, eu duvido que você tenha lido o texto,mas, sabe como é...milagres existem para quem acredita.
O Sermão da Montanha original com certeza é a essência do cristianismo, pois promete tudo o que os pobrezinhos não conseguiam por aqui.

ManDrag disse...

Minha amiga!

Eu li o texto (rsrsrs), que já conhecia na versão portuguesa. Também já o recebi várias vezes por email.
A profissão de professor é uma das mais ingratas da actualidade, pelo que vejo tanto no Brasil como em Portugal. Enquanto não houver vontade política de se fazer uma reforma profunda nos modelos e sistemas de ensino, esta triste realidade actual não se irá reverter.

Grande abraço

Pitanga Doce disse...

Ó pelo amor de Deus que tem coisas que me tiram do sério, pá! Sem comentários, tia Clara.

Mas vamos ao texto, que eu li: Ainda na última vez que estive com o meu professor favorito, ele e a amada que também escolheu o mesmo caminho comentaram a respeito do lero-lero que rola nesse meio burocrático da cultura inútil. Disseram que para qualquer bate papo entre as pessoas que transitam pelos corredores da Educação as frases chaves são: " "o paradigma histórico-crítico", "de acordo com o contexto sócio-econômico-político-cultural" e outras pérolas que em nada acrescentam à partilha do saber.

Já as crianças (algumas) se acham fazendo um favor em ouvir um maluco que resolveu doar o seu tempo entre pó de giz e correr de uma escola para outra e fazer um salário decente.

Nem Jesus, Clarice!

Caloor, mas cadê o Sol? Tá contigo?

Pitanga Doce disse...

Caramba, porque me deixas falar tanto? Corta o microfone, mulher! hehehe

Clarice disse...

Mandrag, faz parte de minha biografia um período em que me coube acender algumas luzes em crianças e adolescentes(espero não ter apagado nenhuma). Lembranças boas e outras nem tanto, que a vida seguia eu rumo com tantos afazeres que não havia tempo para sonhos.
Às vezes me pergunto sobre os mestres gregos, latinos, egípcios e quetais: de que viviam eles? Eis que os professores atuais pulam de galho em galho até para passarem fome.Quando não enfrentam .38 ou até apanham em sala de aula. Com exceções lamentaremos em breve futuro essa falha na formação dos que nos sucederão.
Ainda faço fé. Sempre se salvarão alguns.
Abraços.

Pitanga, alguns aeroplanos passam e nem abrem a janela, só espiam as letras maiores. Houve quem visse meu adeus aos finados gatinhos e passou-me um comentário destruidor: Que lindos! Manda-me um? Só por essa razão já não desconverso: sento-lhe a pua!

Sobre professores vai aí uma grande diferença deles para os mestres. É preciso sobreviver, mas desfila cada exemplar de dar dó.

Sol virou nevoeiro com fumaça, outra vez, desde hoje de manhã. Se não apagarem esse charuto em Mato Grosso e Goiás, não sei, não.

Fala, mulher! Assim me acompanhas pelo caminho.
Beijos