TRANSLATOR( BLOG OR POST)

3 de abr de 2009

Diálogos quase mortais(escatológica pode?)


Para os leitores que me aturam desde o outro lado do Atlântico, talvez seja necessário informar, que no Brasil é muito comum haver restaurantes que servem rodízio de carne. É impossível descrever a quantidade e tipos de carnes oferecidos a cada dez minutos. E elas se repetem. O freguês come até não aguentar mais pelo preço padrão.

Pelo meu padrão, o que come um sujeito desses, comeria fácil fácil uma família de 5 pessoas. Porque além das carnes(agora tem até peixe!) há os complementos todos. Inclusive a tal mortífera maionese com batatas. E todas as sobremesas que puder engolir, antes que eu esqueça.

Mas vamos ao diálogo.

- Estômago: Cara, manera aê com o que vai comer. Essa semana foi do cacete. Manda uns vegetais pra dentro, porque as coisas no intestino estão feias.


Primeiro prato (800g): Arroz, feijoada, cupim, picanha, coração de galinha e tomate.

- Estômago: Tá de sacanagem, né? Duas rodelas de tomate? E essas carnes mal-passadas? Pelo menos mastiga direito essa merda !


Segundo prato (550g): Arroz, costela, picanha, alcatra e salada de maionese.

- Estômago: Chega de carne, cara, não cabe mais nada aqui. Lembra daquela úlcera? Tá faltando pouco pra cicatriz abrir. Tu quer cagar com tudo, né ? Manda um pouco de água.

Bebida: Coca-Cola 600ml

- Estômago: Seu imbecil, eu falei um pouco de água.

- Eu: Ué, Coca-Cola tem água. E ainda ajuda a dissolver a carne.

- Estômago: Coca-cola tem o inferno dentro, cacete. Tá arrombando tudo aqui com o suco gástrico.

- Esposa: Amor, com quem você tá falando?
- Eu: Nada, não. Tô pensando alto.

Sobremesa: 300g de pudim.

- Estômago: Eita merda! Cabe mais não. Tá ouvindo?

- Intestino: O que tá acontecendo aí em cima? Que zona é essa?

- Estômago: O cara tá empurrando comida. Agora veio pudim pra dentro. Não sei mais o que fazer.

- Intestino: Vamos mandar direto.
- Estômago: O quê?
- Intestino: É isso aí, operação descarga.

- Estômago: Cara, o cérebro não vai gostar.

- Intestino: Dane-se o cérebro, ele nunca veio aqui em baixo pra saber como são as coisas.

-Estômago: Vamos dar mais uma chance pra ele. Eu acho que ele não vai mais...

Bebida 2: Cafezinho.

-Estômago: Filho de uma puta! Vou explodir.

-Intestino: Operação descarga iniciando. Anda, libera o canal do duodeno que eu já tô conversando com o esfíncter.

-Coração: Que que tá havendo aí embaixo? A adrenalina tá aumentando muito.

-Intestino: Operação descarga.

-Coração: Quem autorizou isso? O cérebro não me mandou nada.

-Estômago: Cague-se aquela geléia! Nem músculo tem.

-Intestino: É isso aê, estrepe-se essa géleia inútil. Vinte segundos pra abrir o esfíncter anal. Quero ver o ânus arder com esse suco gástrico.

-Esposa: Amor, você tá passando bem? Tá suando todo, aonde você vai?

-Eu: Preciso ir ao banheiro, urgente. Paga a conta e me espera no carro.
-Esposa: O que você comeu?

-Eu: Não sei. Acho que foi o tomate.

Desculpem os palavrões, mas sem eles não teria graça. Eu estou quase passando mal só de ler.

Quem mandou foi W. Henrique, que se afastou de churrascarias faz tempo.

4 comentários:

Pitanga Doce disse...

"O freguês come até não aguentar mais pelo preço padrão".


Que de padrão não tem nada. Eles cobram os olhos da cara e o infeliz acha que tem que comer tuuudo o que pagou.

Acho rodízio (do que for) uma estupidez e que me perdoem quem os frequenta. A criatura fica ali se empanturrando de massas ou carne ou pizza até que o botão da camisa estoure e o assunto na mesa acabe e depois levantam-se com aquela cara de "juro que não como o resto da semana".

É triste quando todo o programa social se resume em comer, comer, comer...

beijos em domingo de Sol...e eu esperando o verdadeiro Outono.

São disse...

Aqui também há restaurantes assim.
Mas, me diz, essa barriga não é montagem, não?!
Boa semana.

Mauro Castro disse...

Bah, mas sem uma carninha também é foda. Ops, desculpe o palavrão, mas sem ele também não tem graça.
Há braços!!

Clarice disse...

O gordinho aí de cima está comendo meus comentários.
Sai daí, ô meu!

Pi, só de camarao numa mesa de 5.
Abraços.

São, a barriga eu acho que é de cerveja!
Abraços.

Mauro, eu adoro um churrasquinho, mas até matar a fome e só!
Abração.