TRANSLATOR( BLOG OR POST)

30 de set de 2016

Encontrei por aí

"Quantos anos tenho?
Tenho a idade em que as coisas são vistas com mais calma, mas com o interesse de seguir crescendo.
Tenho os anos em que os sonhos começam a acariciar com os dedos e as ilusões se convertem em esperança.
Tenho os anos em que o amor, às vezes, é uma chama intensa, ansiosa por consumir-se no fogo de uma paixão desejada. E outras vezes é uma ressaca de paz, como o entardecer em uma praia.
Quantos anos tenho? Não preciso de um número para marcar, pois meus anseios alcançados, as lágrimas que derramei pelo caminho ao ver minhas ilusões despedaçadas, valem muito mais que isso...
O que importa se faço vinte, quarenta ou sessenta?!
O que importa é a idade que sinto. Tenho os anos que necessito para viver livre e sem medos. Para seguir sem temor pela trilha, pois levo comigo a experiência adquirida e a força de meus anseios.
Quantos anos tenho? Isso a quem importa? Tenho os anos necessários para perder o medo e fazer o que quero e o que sinto..."
[José Saramago]


Será mesmo do Saramago?

Justine a palavra é sua.

29 de set de 2016

Gostosuras da Infância

Existem alguns doces e sobremesas que não precisam de nomes bonitos nem sofisticados. Basta que tragam aquele saboroso gostinho de infância.
Peras em calda eu coloco nessa lista. Como de olhos fechados. Gosto de todo jeito, quente, gelada, calda que vira refrigério no verão. Com muita canela e uma pitada de cravo da índia, açúcar e nada mais é a que mais gosto. Ou coroando com calda de chocolate. Mais chique? Fervida em vinho tinto e especiarias. Assadas no forno...
Então com sua licença, que agora vou preparar as que comprei no sacolão do bairro de manhã. Lindas, suculentas e cheirosas.


2 de set de 2016

Darcy, meu Eros sem Tanatos


Confesso sem receio: Eu tinha uma queda por esse cara. Nada erótico, nada hormonal. Aquele jeitinho dele de olhar e, principalmente, o sorriso maroto, o mastigadinho apressado da fala me paralisavam em frente à televisão, enquanto ele desfiava sua cultura e paixão por tudo. Vi e ouvi todas as entrevistas que pude. Revi muitas. Não disse que tinha uma queda? Era uma queda e tanto! Não acompanhei a carreira política, exílio, etc, nem nada, não é uma avaliação de seu desempenho isto aqui. 
Eu sabia de seu envolvimento e amor sem medida pelo povo como uma unidade, sem patriotada, e pelos índios E pelas mulheres!
Era um namorador, conquistador incorrigível, apaixonado pelo corpo e alma das mulheres. Ai de mim se eu o tivesse conhecido ou convivido com ele. Seria um voo sem volta. Ele era um apaixonado também pelo amor, pela sensualidade, pela vida.
Tive a enorme, a indescritível sorte de comprar Casa Grande e Senzala(40ª edição da Record) prefaciada por ele. Já li e reli incontáveis vezes aquela enormidade de prefácio. São páginas e páginas de pura sedução, cultura, lirismo, humor e paixão. Quase nem li o livro, tamanha a capacidade de Darcy de cativar com um assunto que poderia ser tão árido como a composição e características de todos os tipos da raça brasileira, seus encantos e mazelas.Quem tiver a oportunidade leia. Só o prefácio dele já vale o livro.
Há uma frase que ele reproduziu em uma entrevista, de uma história de um índio, que me emociona. Haviam morrido a mulher desse índio e seu filho. Contava Darcy que o amor que tinham era tanto, que o índio simplesmente deitou na rede "e se morreu".
Apagou de amor. "Ele se morreu" é diferente de "ele se matou" ou "ele se suicidou". Que frase!
Instigada por um texto escrito  no Facebook sobre o amor, retornei a um livro que devorei aos prantos quando ele morreu: Eros e Tanatos.
Ele queria, implorava em poesia para viver mais e escancarou o que tinha para negociar por mais e mais e mostrou as razões do pedido, contou das mulheres que amou, por quem se apaixonou, com quem apenas esbanjou sensualidade.
Segue a introdução a uma das partes do livro(página 62), onde ele começa a mostrar a paixão pelo feminino e grita por mais tempo. O Eros.
"Amar é meu modo de viver. No amor floresço.Sem amor, murcho. Falo do amor inteiro, carnal e sentimental. Há o só carnal. Tesões ferozes que às vezes nem se concretizam nunca, mas ai ficam, cultivadas no peito, no sexo, contaminando as confluências amorosas e as circunstanciais. Há, também, o outro, o só espiritual. Anjo sem asas se arrastando, saltitante. É, às vezes, o triste destino do amor exaurido, se convertendo em amizade fraternal, digno. Digníssimo até, mas insípido. Insipidíssimo. Deus me livre e guarde,(Darcy Ribeiiro, Migo,1988)"
Que saudade de você, Darcy das paixões todas!

Darcy, meu Eros sem Tanatos


Confesso sem receio: Eu tinha uma queda por esse cara. Nada erótico, nada hormonal. Aquele jeitinho dele de olhar e, principalmente, o sorriso maroto, o mastigadinho apressado da fala me paralisavam em frente à televisão, enquanto ele desfiava sua cultura e paixão por tudo. Vi e ouvi todas as entrevistas que pude. Revi muitas. Não disse que tinha uma queda? Era uma queda e tanto! Não acompanhei a carreira política, exílio, etc, nem nada, não é uma avaliação de seu desempenho isto aqui. 
Eu sabia de seu envolvimento e amor sem medida pelo povo como uma unidade, sem patriotada, e pelos índios E pelas mulheres!
Era um namorador, conquistador incorrigível, apaixonado pelo corpo e alma das mulheres. Ai de mim se eu o tivesse conhecido ou convivido com ele. Seria um voo sem volta. Ele era um apaixonado também pelo amor, pela sensualidade, pela vida.
Tive a enorme, a indescritível sorte de comprar Casa Grande e Senzala(40ª edição da Record) prefaciada por ele. Já li e reli incontáveis vezes aquela enormidade de prefácio. São páginas e páginas de pura sedução, cultura, lirismo, humor e paixão. Quase nem li o livro, tamanha a capacidade de Darcy de cativar com um assunto que poderia ser tão árido como a composição e características de todos os tipos da raça brasileira, seus encantos e mazelas.Quem tiver a oportunidade leia. Só o prefácio dele já vale o livro.
Há uma frase que ele reproduziu em uma entrevista, de uma história de um índio, que me emociona. Haviam morrido a mulher desse índio e seu filho. Contava Darcy que o amor que tinham era tanto, que o índio simplesmente deitou na rede "e se morreu".
Apagou de amor. "Ele se morreu" é diferente de "ele se matou" ou "ele se suicidou". Que frase!
Instigada por um texto escrito aqui no Face sobre o amor, retornei a um livro que devorei aos prantos quando ele morreu: Eros e Tanatos.
Ele queria, implorava em poesia para viver mais e escancarou o que tinha para negociar por mais e mais e mostrou as razões do pedido, contou das mulheres que amou, por quem se apaixonou, com quem apenas esbanjou sensualidade.
Segue a introdução a uma das partes do livro(página 62), onde ele começa a mostrar a paixão pelo feminino e grita por mais tempo. O Eros.
"Amar é meu modo de viver. No amor floresço.Sem amor, murcho. Falo do amor inteiro, carnal e sentimental. Há o só carnal. Tesões ferozes que às vezes nem se concretizam nunca, mas ai ficam, cultivadas no peito, no sexo, contaminando as confluências amorosas e as circunstanciais. Há, também, o outro, o só espiritual. Anjo sem asas se arrastando, saltitante. É, às vezes, o triste destino do amor exaurido, se convertendo em amizade fraternal, digno. Digníssimo até, mas insípido. Insipidíssimo. Deus me livre e guarde,(Darcy Ribeiiro, Migo,1988)"
Que saudade de você, Darcy das paixões todas!

31 de ago de 2016

Para uma amizade quase amor

Inquietude
Quem mandou, oh, incauta, abrir uma fresta da cortina e deixar que entrasse a luz?
Quem mandou abrir a caixa de recortes, flores secas, bilhetes e fitas?
Quem mandou que trouxesses as palavras há tanto guardadas, 

que se transformaram em espada e te puseram no chão,
sofrendo por um amor que nem tiveste?
Quem te guia, zonza de lembranças,
por esta noite sem lua, sem rumo?
Quem mandou revolver o fundo do lago?
Isso é só o desejo impossível de ser tudo outra vez, tonta!
Guarda presto essa saudade do que nem foi vivido,
essa agonia do que teria sido.
Nessa lembrança jamais houve qualquer plano.
Por que sentes saudade do que foi apenas 
a doçura de um risco no céu?
Fica em silêncio, afoga o nó na garganta.
Deixa que repouse a cortina outra vez
antes que desembeste a represa.I
Repousa o passado onde lhe cabe ficar.
Cerra os lábios e te cala. 
Tira dos olhos as imagens do que nem foi amor,
mas violento e enganoso fogo que tudo consumiu.


Menos a lembrança, essa cruel companhia que me trai.

23 de ago de 2016

Cadê meu pé de meia?

Olha a ideia genial para aproveitar meias sem par, meias furadas, meias perdidas,meias cafonas. A boa ideia veio desta página, que tem muito para ver. 

Pode encher a cobrinha com restos de espuma de travesseiros velhos, ervas secas, sementes, areia.

3 de ago de 2016

2 de ago de 2016

Coisas da horta

Essas duas atendem minha urgência e curiosidade

A vagem de ervilha é espetacular, tanto na rapidez de crescimento quanto na fartura de vagens. Fácil de cultivar e só exige algumas horas de sol, terra adubada e água. Deliciosas tanto a vagem quanto as ervilhas. 
Olha que fartura no pé com menos de dois meses. Está plantada numa floreira comum. O vaso que aparece atrás é dos mirtilos preguiçosos.Tem que armar apoio porque enche mesmo de ramas e vagens. 


Olha a pitanga metida na foto. Uma das sete que vingaram. 

Elas são roxas mesmo. Não é efeito da luz. Veja mais de perto( a foto é da internet).

Caso alguém se interesse em comprar semente para cultivar, procure por PISUM SATIVUM SHIRAZ. 

A outra é a mostarda chinesa. Um pouco de sol, terra boa, água e só! Não tem frescura nenhuma, brota fácil, cresce rápido e pode ser comida crua ou cozida no vapor, salteada na manteiga ou no azeite. 
Essas são de meu canteiro.













Eu, que não aguentei a curiosidade, colhi algumas folhas, mas se deixar chegarem ao seu ápice, ficam assim.




Duas delícias, sem dúvida.

As duas podem ser encontradas em sites que vendem sementes, por preço muito acessível.

Se plantar a ervilha, deixe uma vagem secar no pé para ter sementes para plantar.

Sugestão de sites onde comprar delícias:

23 de jul de 2016

O princípio do desmoronamento

Li no blog de minha amiga portuguesa "Justine"
Cabe à Europa, serve a qualquer país.

"Apontas para o rosto sarcástico do sol de Inverno
E disparas. Há tantos meses que não chove – reparaste?
É o próprio céu a desistir de ti. E mesmo assim tu disparas, só sabes disparar.
Estás enganada, Europa. Envelheceste mal e perdeste a humildade.
Não é contra o sarcasmo que disparas, não é contra o Inverno,
Nem sequer contra o insólito, contra o desespero.
Tu disparas contra a luz.
Podes atirar-nos tudo à cara, Europa: bombas, palavras, relatórios de contas.
Podes até atirar-nos à cara um deputado, uma cimeira.
Mas os teus filhos não querem gravatas. Os teus filhos querem paz.
Os teus filhos não querem que lhes dês a sopa. Os teus filhos querem trabalhar.
Há tantos meses que não chove – reparaste?
A terra está seca. Nem abraçados à terra conseguimos dormir.
Enquanto te escrevo, tu continuas a fazer contas, Europa.
Quem deve. Quem empresta. Quem paga.
Mas os teus filhos têm fome, têm sono. Os teus filhos têm medo do escuro.
Os teus filhos precisam que lhes cantes uma canção, que os vás adormecer.
Eu acreditei em ti e tu roubaste-me o futuro e o dos meus irmãos.
Se estamos calados, Europa, é apenas porque, contrários ao teu gesto,
Nós não queremos disparar."

(Filipa Leal)

O blog de Justine, para visitar e nunca mais abandonar
https://quartetodealexandria.blogspot.com.br/

22 de jul de 2016

Enche meus olhos

Hoje quero recomendar uma visita sem contar do que se trata.

Entre aqui. Não demore.

Sabe aquela invejinha boa, aquele espanto de admiração?

Enche meus olhos! 

Encha seus olhos!

13 de jun de 2016

Simpatias do mês de Junho

Quem nunca, né?
Quais você conhece? Quais você já fez? 
A da aliança? A dos feijões? A dos pingos de vela?

29 de mai de 2016

Variações sobre o mesmo tema


1. Diz Paulo KB que o molusco foi visto num hospital. Será que teve que esperar uma noite inteira sentado para ser atendido? Ficou numa maca no corredor? Foi atendido por um médico cubano?

2. Será que é a doença do arrependimento? Sim, ele declarou-se arrependido por ter escolhido aquela senhora para substituí-lo. Há muito se sabe que o plano era colocar alguém que não fosse tão popular quanto ele para não fazer sombra, o que melhoraria as chances dele em 2018. Nem dois Santana dão jeito!

3. Alguém próximo do molusco conta que, perguntado sobre os próximos passos de reação ao governo de Michel e as medidas que o interino vem tomando; se está seguindo com o planejamento da volta daquela senhora, teria dito que agora é hora de rezar.

Enquanto isso as bombas gravadas fazem o papel do ventilador ligado e espalham caca sem piedade. Quem esqueceu de guardar a língua agora coloca escudo no traseiro.

14 de mai de 2016

Cozinha refeita

Depois de muita preguiça e adiamentos, eis que flores retornam à pia. Este painel é de hibiscos modernosos.

Sem dúvida um modo rápido, prático e barato de fazer reformas sem sujeira, ou esconder o que quebraram na parede. Nada mais de se preocupar com silicone da emenda da pia com a parede, sempre uma chatice. 

Um dia desses mostro as artes que fiz no banheiro com a mesma técnica e material.